Tag Archive: suecia


Uma das mais roots bandas do Death Metal sueco que explodiu no final da década de 80/início de 90, o Unleashed surgiu das cinzas do extinto Nihilist, pelo vocalista/baixista Johnny Hedlund, com um som básico, altamente influenciado por bandas como Venom e Motörhead, mas agregando uma singularidade épica, principalmente nas letras, que abordavam (além do standard do Death Metal), coisas sobre a mitologia e a cultura Viking.

Continue lendo

Anúncios

A banda que despontou como uma das maiores promessas do MeloDeath sueco na primeira metade da década de 2000, principalmente por contar com dois vocalistas na sua formação e agregar elementos mais modernos e comerciais (bem americanizado), o Sonic Syndicate foi gradativamente transformando o seu som, deixando um pouco o Death de lado, passando pelo Metalcore e cada vez mais em direção a algo mais moderno, já sob a Nuclear Blast Records e excursionando por diversos países com bandas do porte de Soilwork, Dark Tranquillity e Nightwish.

Continue lendo

Um dos grandes nomes do MeloDeath sueco, ao lado de Dark Tranquillity, In Flames, Arch Enemy e At The Gates, o Soilwork é um dos membros do panteão de Gotemburgo (apesar de serem de Helsingborg, mas isso não vem ao caso), e assim como qualquer outro de seus companheiros, tem uma sonoridade e sentimentos únicos, que vão muito além da música.

Continue lendo

Terminus: Sabaton – “Coat Of Arms”

Uma das mais diferenciadas bandas que o Power Metal viu surgir nos últimos anos, os suecos do Sabaton conseguiram notável destaque no cenário com o lançamento do seu álbum “Primo Victoria”, em 2005, inicialmente de forma independente, mas que atraiu a atenção de inúmeras gravadoras ao redor do mundo, atraídos pelo Heavy Metal pesado e épico, com músicas sobre guerras e o poderoso vocal de Joakim Brodén. Até aí parece o que muitas bandas fizeram, fazem e vão fazer, certo? A diferença é que as guerras e os temas abordados geralmente são os conflitos “modernos”, afastando-se da clichê Idade Média e trazendo os conceitos mais para a “atualidade”. Além disso, os vocais de Brodén, não seguem a linha berro-agudo-castrati-falsete, mas sim tem um tom grave, com ótimas melodias, sem chegar no gutural.

Continue lendo