Tag Archive: rock progressivo


Saudações Proggers!

Sejam bem vindos a mais uma edição da sua dose semanal de rock Progressivo

Para comemorar o VIGÉSIMO episódio do Progcast, trouxemos uma programa ousado!!! Vamos falar um pouco sobre a Era Fish do lendário Marillion. Para isso chamamos o especialista, o organizador do fã clube de um homem só oficial do Brasil, Rodrigo Leme, que como todo bom freak, conhece até as últimas refeições feitas pelos integrantes da banda. Além disso, falamos também sobre Gotthard, e a tragédia envolvendo o frontman e excepcional vocalista Steve Lee

Não perca neste episódio: Saiba que Pop Progressivo existe e também conheça com que estilo de hoje ele se parece. Saiba as diferenças básicas entre Genesis e Marillion e entenda qual a influência que a música brasileira sofreu através dos trabalhos iniciais dessa banda.

OBSERVAÇÃO : O segundo episódio dessa série NÃO IRÁ ao ar no próximo sabádo. Mas não percam a próxima edição que também será muito boa =)

Indicações da semana

O que tocou neste episódio

  • 00:00:14 – Script For a Jester’s Tear
  • 00:02:50 – Higher (Gotthard)
  • 00:07:21 – Anytime Anywhere (Gotthard)
  • 00:11:31 – Let It Be (Gotthard)
  • 00:17:12 – Emerald Lies
  • 00:20:55 – Reality (Endroma)
  • 00:26:26 – Song For America (Chaneton)
  • 00:40:35 – Incubus
  • 00:49:00 – Garden Party
  • 00:55:25 – Fugazi
  • 01:03:13 – Assassing
  • 01:06:30 – Market Square Heroes
  • 01:10:44 – Jigsaw
  • 01:17:25 – Bitter Suite
  • 01:35:20 – Incommunicado
  • 01:29:58 – Sugar Mice
  • 01:35:02 – Lords of the Backstage
  • 01:36:52 – Kayleigh
  • 01:40:53 – Childhood’s End?
  • 01:45:22 – Warm Wet Circles
  • 01:49:48 – Forgotten Sons
  • 01:58:05 – Grendel
  • 02:15:20 – Come Together (Gotthard)

Comentado no episódio

Fomos indicados no Radiofobia nº39 – valeu pessoal
Pronunciamento oficial do Gotthard sobre a morte de Steve Lee
Arjen Lucassen e Steve Lee falando sobre o album 01011001 do Ayreon
Quem tanto  já tocou lavender?
Capa do album Script For a Jester’s Tears
Capa do album Fugazi
Capa do album Misplaced Childhood
Capa do album Clutching at Straws

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Seja nosso amigo no orkut

Adicione o Progcast no seu msn! group1336447@groupsim.com

escute nossa rádio!!!

Comentem, espalhem, divulguem

Baixe agora o episódio

Anúncios

Progcast#18 – Mindflow: Destranque a sua mente

Antes de começar, faça o seguinte:

1) Desligue todas as luzes…
2) Coloque o seu headphone…
3) Aperte o play…
4) Ouça até o último segundo

Agora sim…

Saudações Proggers!

Sejam bem vindos a mais uma edição da sua dose semanal de rock Progressivo

No episódio especialíssimo desta semana, recebemos o guitarrista Rodrigo Hidalgo, da banda Mindflow, que contou um pouco sobre o início da banda, os conceitos que cada um de seus álbuns aborda, detalhes do background das composições, turnês, args, videologs e tudo mais que envolve a experiência, deixando uma grande lição para qualquer banda que está começando a trilhar o seu caminho no mundo da música. Deixe a sua mente fluir, siga os seus instintos e entenda qual Progcaster não consegue falar o nome da banda de forma correta!

Indicações da semana

Baixe agora o episódio

Comentado no episódio

Site oficial do Mindflow
Canal do Youtube
Capa do álbum “365”
Blog do J.A.C.K.

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Seja nosso amigo no orkut

Adicione o Progcast no seu msn! group1336447@groupsim.com

escute nossa rádio!!!

Comentem, espalhem, divulguem

Aconteceu nesta terça-feira a tão esperada coletiva de imprensa em Sorocaba, interior de São Paulo com Billy Sherwood, ex-guitarrista do Yes, produtor e músico de tantos outros projetos, como a banda CONSPIRANCY e YOSO e a BANDA DO SOL, que também está divulgando seu novo mais novo trabalho, o  CD Tempo.

Esbanjando simpatia, Billy Sherwood e Moacir Jr, vocalista da Banda do Sol,  atenderam a todos que estavam na sala de imprensa com um papo descontraído e muito informativo. Completavam o time da mesa o maestro da Fundec Eduardo Ostergren e o baterista da Banda do Sol, Fábio Fernandes.

Continue lendo

Saudações, Proggers!

Sejam bem vindo a mais um episódio da sua dose semanal de rock progressivo!

O episódio desta semana viaja pelas extremidades tranquilasde uma banda que não tem absolutamente nada no lugar, o Sigur Ros.

Conheça nesse programa como é fácil criar uma linguagem que só você entende. Além disso, conheça mais sobre o gênero mais introspectivo de todos e também o que dá mais sono entre eles. Tente adivinhar qual é a música easter egg de hoje e tente entender o porque que um pescador tem tanta importância dentro da história da banda

OBSERVAÇÕES: Conseguimos apenas o contato para inserir  a música da banda O Terço, por isso só teremos uma musica apenas das indicações.

Sugestão da semana:

Comentado neste episódio:

Baixe agora o episódio

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Seja nosso amigo no orkut

NOVIDADE: escute nossa rádio!!!

Comentem, espalhem, divulguem

Progcast 07 – Um Vulcao, Uma Vaca, Um Pescador.mp3

Progcast #06 – A Face De Um Encosto

Saudações, Proggers!

Sejam bem vindo a mais um episódio da sua dose semanal de rock progressivo!

O episódio desta semana traz a história de uma das mais cult entre as bandas de Prog Metal hoje: os suecos do Opeth!

Escute um pouco sobre as especificações de cada álbum e porque eles são uma das mais conceituadas bandas dentro e fora do círculo Progressivo. Aprenda também a como driblar as dificuldades do idioma sueco, o paradoxo musical levado ao extremo e quais álbuns podem tirar o sono de muita gente.

Sugestões da semana:

  • DayDream XI

Comentado neste episódio:

Baixe agora o episódio

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Seja nosso amigo no orkut

NOVIDADE: escute nossa rádio!!!

Assine o feed do podcast no Itunes

Comentem, espalhem, divulguem

Saudações, Proggers!

depois de muitos contratempos, estamos de volta com mais um episódio da sua dose semanal de rock progressivo!

O episódio desta semana conta os primórdios do alicerce do Prog Metal: os queridinhos do Dream Theater. O Lado A traz informações do início da banda, quando ainda se chamava Majesty, a origem do nome e do icônico símbolo, até o lançamento de “Falling Into Infinity”, passando pela sua ascensão até o quase fim em 1998.

Também neste episódio: o background dos seus álbuns, como executivos de gravadoras e Rick Martin afetam o rumo musical de uma banda, a ira contra “Pull Me Under” e, principalmente, um camarão de rodoviária que pode mudar a sua vida para sempre.

Obs.: O Lado B deste episódio irá ao ar na próxima sexta-feira (18/06/2010), dando continuidade à história da banda, pois dia 11/06/2010 teremos o especial Dia dos Namorados . Não deixem de conferir!

Sugestões da semana:

(Agradecimentos especiais a ElIton, da Som Do Darma Produção e Comunicação em Cultura www.myspace.com/somdodarma)

Comentado neste episódio:

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Assine o feed do podcast no Itunes

Ouça no Mevio.com clicando aqui

Baixe agora o episódio

Comentem, espalhem, divulguem

#Progfail

Saudações Proggers!

Sejam bem vindos a primeira semana sem a sua dose semanal de rock progressivo.

Pois é caros ouvintes, depois de um crash do nosso super servidor de dados (um grande HD externo) a edição desta semana foi adiada para a próxima sexta-feira (04/06/2010). Agradecemos os comentários, as indicações de bandas e prometemos retomar a frequência de postagens semanalmente como de costume.

Mas para você nao ir embora agora,leia os últimos posts da nossa coluna Imago, Neo Partus e a nossa última edição do Progcast.

Comentem e espalhem a palavra

Progcast #02 – Na Corte DO Rei Rubro

Saudações Proggers!

Sejam bem vindo ao segundo episódio do Progcast
Nesta primeira parte do podcast descubra a história de uma das maiores lendas de todos os tempos…King Crimson. Acompanhe a história desta banda desde da sua criação até a primeira separação em 1974. Conheça as dificuldades das turnês, como era difícil viajar com um sintetizador dentro de um ônibus e saiba como seria se um grande cantor popular assumisse os vocais desta banda.

Além disso, escute muita musica boa, pois nesse programa a trilha sonora foi selecionada para ilustrar as melhores passagens desta banda que influenciou todos os estilos de Rock ‘n Roll.

IMPORTANTE: A segunda parte deste programa irá ao ar na próxima sexta-feira de manhã, por isso, não deixem de conferir no nosso site ou em nosso feed.

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Assine o feed do podcast no Itunes

Ouça no Mevio.com clicando aqui

Baixe agora o episódio

O que foi comentado no programa:

Comente, espalhe, divulgue xD

Neo Partus

O legado do Rock Progressivo para o cenário musical de hoje é de extrema importância para uma quantidade efêmera de bandas. Apesar de muitas optarem pela simplicidade ou estilos mais diretos, algumas outras se arriscam a resgatar a aura e a complexidade das bandas dos anos 70, incluindo aí as principais características do estilo nas suas raízes: passagens técnicas, feeling exacerbado, experimentalismos, suítes, instrumentais, letras reflexivas e críticas sociais.

A técnica instrumental parece ser um dos focos musicais em maior ênfase nos últimos anos.  Músicas mais básicas e simples dos anos 80/90 (Hard Rock e o Grunge) deram espaço às intricadas bandas de Power Metal/Thrash Metal nos anos 90, que por sua vez perderam lugar para o modernoso New Metal no começo dos anos 2000, voltando a relativa simplicidade e focando no peso dos instrumentos. O movimento atual, porém (após a “morte” do New Metal) parece tentar resgatar uma certa complexidade e experimentalismo: bandas novas surgem a cada dia com uma idéia diferente, que podem acarretar em um completo novo estilo, agregando, de alguma forma, influencias progressivas ao seu som.

A coluna “Neo Partus” foca nas bandas e vertentes que agregam as influências do Rock Progressivo na sua sonoridade, muitas vezes criando uma identidade própria ou até mesmo um novo estilo. Matérias sobre as bandas, álbuns importantes, personagens icônicos e fatos sobre as várias gerações do Prog serão postadas aqui, tentando abranger as suas diversas ramificações, através de reviews dos lançamentos.

Imago: A arte visual do Progressivo

O Rock Progressivo nunca se prendeu aos limites da música. Muito pelo contrário, aliás, as bandas faziam de tudo para transcender, elevando o sentimento e a percepção para aqueles que ouviam através de imagens, performances teatrais, jogos de luzes e, em outro âmbito, a arte gráfica de seus trabalhos. Da mesma forma que cada banda tinha um estilo próprio, que a tornava diferente de qualquer outra (bons tempos) mesmo que por um mero detalhe ou outro nas suas características mais marcantes, cada uma também tinha idéias únicas sobre como representar a sua música visualmente. Algumas bandas optavam por fotos, outras por montagens, podíamos encontrar também desenhos disformes, imagens psicodélicas, das mais simples às mais complexas, mas todas com o mesmo objetivo: tentar passar a mensagem e o conceito não apenas do álbum, mas de uma forma que o próprio público conseguisse identificar que aquele álbum era de tal banda. E grande parte do mérito disso está nos artistas da época, que conseguiam traduzir em visualmente as idéias totalmente ácidas e viajantes que representassem de forma justa as maluquices que saiam da cabeça dos músicos.

A coluna Imago, dentro do Progcast vai abordar a arte dos álbuns de Rock e Metal progressivo, tentando analisar de uma forma que correlacione os temas líricos, com as idéias da banda e como isso se torna importante para a experiência de ouvir o trabalho não isoladamente, mas como parte de um grande conjunto que envolvem a audição, a visão e a percepção de quem está presente. Serão apresentadas as capas que compreendem toda a discografia de cada banda por post (separando os de estúdio das coletâneas e ao vivo), acompanhando o seu próprio desenvolvimento e como ela ia se adaptando (ou mantendo a sua característica) de acordo com o tempo e com as mudanças que aconteciam no mundo.