Tag Archive: dream theater


Saudações Proggers!

Sejam bem vindos a mais uma edição da sua dose semanal de rock Progressivo

Em comemoração ao fim do ano que já esta chegando, falamos um pouco mais descontraído sobre um assunto diferente: covers famosos. Conhecemos músicas famosas que nunca imaginamos que Daniel Gildenlow ou Mike Portnoy tocaria, mas mesmo assim adoramos o resultado. Além disso, contamos com a participação especial de nosso amigo ouvinte, Lucas N, que deu a indicação de banda da semana e ainda por cima falamos sobre nossa MEGA PROMOÇÃO DE NATAL.

NOTA: Mais uma vez pedimos desculpas pelo atraso. É gente, fim de ano ta TEMÇO

Indicações da semana

Comentado no episódio

PROMOÇÃO DE NATAL

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Seja nosso amigo no orkut

Adicione o Progcast no seu msn! group1336447@groupsim.com

Comentem, espalhem, divulguem

Baixe agora o episódio

Anúncios

Progcast #16 – Gigantes, gentis e metidos

Saudações Proggers!

Sejam bem vindos a mais uma edição da sua dose semanal de rock Progressivo

No episódio desta semana, abordamos o começo da carreira de uma das mais cultuadas bandas dos anos 70: o Gentle Giant! Desde a influência paterna, a busca por músicos perfeitos e o lançamento do seu icônico debut até a sua magnum opus “Octopus” e a saída do irmão Phil Shulman da banda. Aproveitamos para conversar um pouco sobre a saída do baterista Mike Portnoy do Dream Theater, uma notícia que pegou todos de calça curta esta semana.

Obs.: O lado B do episódio irá ao ar no sábado que vem 18/09. Fiquem ligados.

Indicações da semana

Podcasts para ouvir

Comentado no episódio

  • Mande um tuite para @jcrudess com os dizeres “Hey @jcrudess, We want Mike Terrana on drums DT. Check out his solo http://migre.me/1gwnX #MTonDT”

Baixe agora o episódio

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Seja nosso amigo no orkut

Adicione o Progcast no seu msn! group1336447@groupsim.com

escute nossa rádio!!!

Comentem, espalhem, divulguem

Progcast #04 – Acordando no teatro – Lado B

Saudações, Proggers!

sejam bem vindo a mais um episódio da sua dose semanal de rock progressivo!

O episódio desta semana conta a era de ouro para a maior banda de  Prog Metal: os queridinhos do Dream Theater. O Lado B do vinil conta detalhes por trás das grandes obras primas como Metropolis, curiosidades sobre a formação atual da banda e muita polêmica para variar.

Também neste episódio: O desafio foi lançado. Envie um email para progcastbr@gmail.com e convença o Rroio do porque de Forsaken ser uma música tão odiada pela maioria dos fãs. A melhor resposta ganhará um CD da banda brasileira Sub Rosa, indicada neste episódio e patrocinando a primeira promoção do Progcast

 

Sugestões da semana:

Comentado neste episódio:

Baixe agora o episódio

Escute no Mevio

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Seja nosso amigo no orkut

Assine o feed do podcast no Itunes

Comentem, espalhem, divulguem

Voltando à história do nosso amigo atormentado Nicholas… (Se você não sabe quem é ele, acesse a primeira parte aqui)

Ato 2

Continue lendo

Considerado por muitos fãs como a masterpiece do Dream Theater, “Metropolis” é o único álbum conceitual da banda que segue uma linearidade. Não irei me prender muito no background da própria banda, pois o mesmo será abordado no lado B do Progcast sobre Dream Theater, que irá ao ar no dia 18/06. Sendo assim, vamos direto para a história.

Apesar de contar uma história fechada, as letras foram compostas por mais de um integrante, o que não atrapalha de nenhuma forma como ela é contada. O conceito da trama gira em torno de Nicholas, um sujeito que tem a impressão de acordar para outra vida toda vez que fecha os olhos (peraí, não vimos algo parecido em um filme com bichos azuis gigantes?), indo de temas como loucura, e assassinato em uma história de amor, com um plot bem legal no final.

Continue lendo

Saudações, Proggers!

depois de muitos contratempos, estamos de volta com mais um episódio da sua dose semanal de rock progressivo!

O episódio desta semana conta os primórdios do alicerce do Prog Metal: os queridinhos do Dream Theater. O Lado A traz informações do início da banda, quando ainda se chamava Majesty, a origem do nome e do icônico símbolo, até o lançamento de “Falling Into Infinity”, passando pela sua ascensão até o quase fim em 1998.

Também neste episódio: o background dos seus álbuns, como executivos de gravadoras e Rick Martin afetam o rumo musical de uma banda, a ira contra “Pull Me Under” e, principalmente, um camarão de rodoviária que pode mudar a sua vida para sempre.

Obs.: O Lado B deste episódio irá ao ar na próxima sexta-feira (18/06/2010), dando continuidade à história da banda, pois dia 11/06/2010 teremos o especial Dia dos Namorados . Não deixem de conferir!

Sugestões da semana:

(Agradecimentos especiais a ElIton, da Som Do Darma Produção e Comunicação em Cultura www.myspace.com/somdodarma)

Comentado neste episódio:

Comentários, sugestões, correções e contato: progcastbr@gmail.com

Sigam-nos no Twitter @progcastbr

Assine o feed do podcast no Itunes

Ouça no Mevio.com clicando aqui

Baixe agora o episódio

Comentem, espalhem, divulguem

Imago: Galeria dos sonhos

O principal ícone do triunvirato responsável pela 1ª geração do Prog Metal (junto com Queensryche e Fates Warning), o Dream Theater definitivamente era o mais progressivo na sua essência, resgatando muito da sonoridade setentista, principalmente na complexidade melódica, estrutural e conceitual de suas obras, aliado ao peso e a noção de contemporaneidade no seu som, tornando-os uma das mais cultuadas e bem-sucedidas bandas do Heavy Metal atual, conseguindo uma quantidade incrível de fãs (MUITO fanáticos, mas eu nem queria falar sobre isso). Mas enfim, uma das características que mais chamam a atenção são os background de sua música, desde o tema lírico abordado como as capas/artes gráficas dos álbuns, que remetem às idéias muito bem expressas de 20, 30, 40 anos atrás, e, tudo é tão pensado e encaixado que esses trabalhos são elemento à parte e deve ser bem analisada, afinal, nada mais progressivo do que cada detalhe ser importante, ahn? Bom, vamos lá:

Continue lendo