Os dinamarqueses do Volbeat são uma das poucas bandas hoje em dia que podemos chamar de Rock and Roll, no seu sentido mais bruto, sujo, pesado e descompromissado. Altamente influenciado por bandas como Motörhead, Metallica, além de um que de Johnny Cash, Elvis e muita música Southern, a banda sempre manteve esse estilo vintage tanto nas músicas quanto no visual.

Após lançar 3 álbuns que explodiram na Europa, o Volbeat passou a integrar aquelas famosas bandas cult do underground, que apesar do sucesso de vendas nem sempre atinge o mainstream, graças à sua discografia extremamente competente: “The Strength / The Sound / The Songs”, “Rock The Rebel / Metal The Devil” e “Guitar Gangsters & Cadillac Blood”, o que abriu portas para que eles abrissem shows e excursionassem com bandas como Metallica, Nightwish, Slayer e por aí vai.

“Beyond Hell / Above Heaven” é o quarto álbum de studio, desta vez sob a produção do grande Jacob Hansen, que vem conduzindo a gravação do álbum desde o final de 2009 até junho deste ano. De acordo com os membros da banda, o conceito deste disco dá continuidade ao exato ponto onde parou no álbum anterior, algo perceptível na sua própria estrutura.

“The Mirror And The Reaper” abre o album com aquele Rock’n Roll extremamente bem construído sobre uma leve pitada de Southern e Rockabilly, uma música que consegue ser marcante em todos os seus momentos, da introdução ao ótimo refrão (aliás, os caras estão ficando muito bons nisso), assim como a sacana “Heaven Nor Hell” e a sua ótima gaita (quando um instrumento é muito bem usado, o resultado final é perfeito) em uma música que lembra um AC/DC de tão simples e funcional. A próxima, “Who They Are” traz umas boas pitadas de Metallica e Motörhead, duas de suas maiores influências, direta e novamente com ótimas passagens vocais, enquanto o single “Fallen” é o mais próximo de uma balada que tem no álbum, mais mid-tempo, lembrando um pouco as bandas de mainstream americanas, o que não tira em nada o destaque dela no álbum como um todo, sendo uma das maiores canções da carreira do Volbeat. “A Better Believer” novamente resgata a veia Southern Rock mesclada ao Punk, o que se continua em “7 Shots” e o seu clima todo faroeste, com a participação ilustre de Mille Petrozza (do Kreator), fazendo dessa novamente um clássico absoluto da banda. E o clima americano continua em “A New Day”, que lembra em muito aquelas músicas estados unidenses antigas, como se estivesse em uma rua escura, cercado por gângsteres.

“16 Dollars” dá continuidade ao álbum, como uma versão mais agitada e evil de “Blue Sued Shoes”, uma música direta e até meio bobinha no meio do álbum, mas que é muito fod*, principalmente por ser impossível não acompanhar a música cantando e batendo os pés. A próxima “Warrior’s Call” traz novas nuances de Thrash Metal americano, com umas boas doses de Pantera e Hard Rock, enquanto “Magic Zone” poderia muito bem ter sido composta no Arizona por alguma banda local nos anos 70, tamanha a veia Southern / Bluegrass, em um Rock’n Roll básico mas que funciona muito bem. “Evelyn”, que eu estupidamente esperava ser uma baladinha melosa, tem a participação de Barney Greenway, do Napalm Death. Ou seja, não era nada disso, é uma das mais agressivas e pesadas músicas da banda, apesar do tema meloso, que continua em “Being 1”, essa sim, algo mais próximo de uma balada, com direito a vários Oooooo. O álbum fecha com “Thanks”, uma música fora do conceito, mas bem legal. Um Punk a lá Ramones e Offspring em que a banda manda uma mensagem para os fãs de Volbeat, agradecendo pelo apoio. E ela é boa pra caceta!

Poucas são as bandas que tiveram uma evolução gradativa e meteórica no seu som como o Volbeat. Cada álbum é um avanço, um one step closer da perfeição, e cada vez mais agregando novos elementos e novos fãs. Um dos melhores álbuns do ano (sério candidato a melhor).

01. The Mirror And The Reaper
02. Heaven nor Hell
03. Who They Are
04. Fallen
05. A Better Believer
06. 7 Shots
07. A New Day
08. 16 Dollars
09. A Warrior’s Call
10. Magic Zone
11. Evelyn
12. Being 1
13. Thanks

Line-up

Michael Poulsen – Vocal / Guitarra
Thomas Bredahl – Guitarra
Anders Kjolholm – Baixo
Jon Larsen – Bateria

Nota 10

Anúncios