O conturbado período que os brasileiros do Angra passaram antes, durante e após o lançamento de seu último álbum de estúdio “Aurora Consurgens”, que culminou na saída do baterista Aquiles Priester, discussões internas, reformulações empresariais e quase o encerramento da banda, talvez tenham sido fatores importantíssimo para o novo renascimento, cerca de 9 anos depois de sua primeira reformulação.

Com a reabilitação das atividades na metade do ano passado e o início da preparação do novo álbum, o ex-baterista volta a reintegrar o line-up da banda, para começar as gravações daquele que viria a ser “Aqua”, o sétimo álbum de estúdio do Angra. Contando agora com a co-produção de Brendan Duffey e Adriano Daga, a “nova era” da banda atingiu até mesmo o responsável pela arte gráfica do trabalho: no lugar de Isabel de Amorim (responsável desde “Fireworks”), entra o brasileiro Gustavo Sazes, que conseguiu dar forma ao álbum baseado na obra “A Tempestade”, de William Shakespeare.

Com a teatral introdução de “Viderunt Te Aquae”, a já conhecida “Arising Thunder” abre o álbum de forma clássica: música rápida, pesada, com a guitarra dobrada, do jeito que se esperava. A surpresa e o bom resultado só não foram maiores pois essa música foi liberada como single do álbum algumas semanas antes de seu lançamento. Fato interessante é que, apesar de ser uma abertura tipicamente Angra, já se percebe uma tentativa de soar um tanto quanto diferente, uma remodelagem de seu próprio som. O começo de “Awake From Darkness” pode enganar a princípio com a sua introdução levada no baião, mas que acaba se tornando uma música com uma veia bem Prog Metal, calcada na sonoridade próxima ao álbum “Temple Of Shadows”, a exemplo da belíssima balada “Lease Of Life”, onde pode-se notar um sopro do que o Kamelot vem fazendo, mesclado ao estilo próprio do Angra e adequado ao conceito do disco. A pesada “The Rage Of The Waters” tem aquele highlight mais Heavy Metal em sua essência, e com certeza será um grande momento nas apresentações ao vivo, com direito à ótima passagem intrumental onde o baixo de Felipe Andreoli rouba a cena até a entrada dos solos de guitarra que… bem… nem precisamos falar nada. Rafael Bittencourt e Kiko Loureiro, isso basta.

“Spirit Of The Air” é, de longe, o grande destaque do álbum, com seu ritmo intrincado, diversas mudanças de andamento e uma das melhores performances melódicas de Edu Falaschi, remetendo novamente ao álbum “Temple Of Shadows”, novamente uma que deve figurar nos sets desta turnê. “Hollow”, a sétima música, por outro lado, começa promissora, com um toque de peso a mais, mas cujo resultado final não funciona exatamente como deveria, já que a complexidade estrutural da música não foi muito benéfica para as letras e a melodia vocal, faltando algo a mais para que o bom instrumental ficasse bem encaixado, talvez estando aí o único ponto baixo do álbum. Como podemos perceber, a intenção de “Aqua” não é ser um álbum pesado nem rápido, mas acima de tudo melódico, e isso pode ser comprovado muito bem com “A Monster In Her Eyes”, cadenciada, quase arrastada e ao mesmo tempo belíssima, tendência que se segue em “Weakness Of A Man”, diferente de tudo que já foi lançado pelo Angra, talvez mostrando um caminho a se seguir nos próximos lançamentos. A balada “Ashes” encerra o álbum e, novamente tenho que dar o braço a torcer: essa é uma das mais bonitas e melódicas músicas já compostas pelo Angra e o seu desenvolvimento harmônico segue tendências de música clássica, com um resultado muito Metal no fim das contas, lembrando a faixa de encerramento do “Rebirth”, de um distante 2001.

Ainda é cedo para dizer, mas o Angra parece estar se remodelando, onde “Aqua” é um estágio em um processo evolutivo evidente, que está claramente ocorrendo. Não lembra nem os álbuns da fase André Matos, tampouco lembra o que foi feito exatamente na fase Edu Falaschi, mas ainda assim agrega aquelas que são as suas características primordiais. Então, só nos resta esperar pela turnê e pelos próximos capítulos da história.

01. Viderunt Te Aquæ
02. Arising Thunder
03. Awake From Darkness
04. Lease Of Life
05. The Rage Of The Waters
06. Spirit Of The Air
07. Hollow
08. A Monster In Her Eyes
09. Weakness Of A Man
10. Ashes

Nota 8

Bons sonhos

Anúncios